Fumaça de Fogões a Lenha

A fumaça de fogões a lenha ou a carvão que não possuem chaminés é considerada a maior causa de morte nos países em desenvolvimento. Nestes lugares, ainda são necessários recursos para políticas humanas e autossustentáveis de desenvolvimento. É necessário investimento e planejamento, visando a capacidade de autossustentação da população, gerando, assim resultados econômicos a partir de diversas atividades. Portanto, é que preciso que se garanta a segurança e atenção à saúde preventiva em todos os ciclos de vida.

Nestes países, este tipo de utensílio doméstico pode ocasionar mortes por doenças respiratórias relacionadas à fumaça, além de também colocar a vida em risco ao provocar acidentes e incêndios. De acordo com pesquisadores, as substâncias tóxicas produzidas por fogões deste tipo são tão letais quanto as encontradas na fumaça do cigarro. Permanecer em contato com esses gases e cinzas cancerígenas traz risco à saúde, assim como a ingestão de carnes de churrascos contaminadas por esta fumaça. Apesar dos filtros disponíveis, como as chaminés, muitas vezes o vento forte e entupimentos, provocados por folhas ou poeiras, podem impedir a fumaça de ser expelida, trazendo levando toxinas prejudiciais à saúde para dentro da casa das pessoas.

A fumaça de fogões a lenha ou a carvão sem chaminés é considerada a maior causa de morte nos países pobres ou em desenvolvimento, especialmente nos continentes asiático e africano. Nestas regiões, quatro milhões de pessoas morrem por ano vítimas de doenças respiratórias relacionadas à fumaça; sendo as crianças as principais afetadas, devido à alta exposição às substâncias e suas peles finas e sensíveis. Há um completo atraso em certos locais; as pessoas vivem como os homens das cavernas, em pleno século onde o homem quer conquistar Marte!

Eis então um contraste enorme no que diz respeito a desenvolvimento humano, e por isso nossa organização ambiental e social ESO-A trabalha para resolver todas as questões ambientais e prover todas as condições autossustentáveis para as causas sociais globalizadas.

Para que haja o desenvolvimento humano, devemos nos apegar profundamente ao sentido da palavra ‘ética’. Há tempos a sociedade tenta falar tsta palavrinha tão linda, mas que ainda não alcançou o coração das pessoas; afinal, para o seu verdadeiro entendimento, não basta ter QI, mas sim equilíbrio emocional. Só é possível alcançá-lo se conseguirmos atingir uma comunhão plena com o verdadeiro sentido da existência, e não somente por nossa passagem na terra, como se não houvesse nenhum sentido para viver. Apenas quando sentimos plenamente a razão de estarmos aqui e qual é a missão verdadeira de existirmos, somos capazes de entender o que significa a palavra ética. Ela é, portanto, um profundo respeito mútuo, que se aplica pela capacidade de se colocar no lugar de outra pessoa, que muitas vezes tem privações e limitações ocasionadas pelo sistema econômico onde estão inseridas.

Embora o fato de dependermos de um sistema que foi criado para prover as condições básicas para a humanidade, o mundo parece que virou de cabeça para baixo, e as pessoas parecem não mais alcançar o entendimento do seu papel na sociedade. Acima de tudo, cada vida depende da outra para viver, e o ser humano deve ser colocado no topo. Sendo assim, uma estrutura única deve estar sempre bem preparada para o servir e servir bem, com ética plena, com respeito mútuo, com transparência, percepção plena do sentido de ‘existir’, porque isso é apenas uma rápida passagem aqui. E que legados deixaremos?

Somente com a comunhão plena, buscando o entendimento e o equilíbrio entre o racional e o não racional, juntamente com o amor incondicional, conseguiremos o estado de paz que cada pessoa tenta buscar em cada segundo de sua vida. Portanto, teremos condições de realizarmos grandiosas obras estruturais, para que estas tenham um ciclo autossustentável contínuo de forma responsável e consciente. Apenas assim, é capaz que a vida seja realmente livre, assim como uma plena paz, incluindo a nossa!

É devido a isso que, embora se tente, até hoje ninguém conseguiu fazer sozinho; porque o trabalho deve ser feito em conjunto e por cada um de nós. Em conjunto, podemos ter os resultados que sempre procuramos alcançar e até hoje não tivemos a fórmula certa e eficaz. Apesar disso, seguimos a cada dia buscando todas as soluções, sempre com foco e comunhão, possibilitando que consigamos todas as respostas para esse entendimento pleno de como manter o ciclo normal do sistema natural do planeta, assim como o ciclo de todas as vidas do planeta em total equilíbrio. Trabalhando com a saúde preventiva e nos dedicando a fim de encontrar as soluções para garantir a vida plena e em total segurança, paz, respeito e dignidade humana, deixamos o nosso legado. para o bem estar geral.